Quem aí já teve cliente com problema de manutenção no gramado? Pedimos a Biomix, empresa especializada em fertilizantes orgânicos, substratos e insumos para jardinagem, e parceira do Papo de Paisagista, para dar dicas sobre adubação em gramados, para ajudar tanto os paisagistas como seus clientes.

Quando e como adubar um gramado?

Vamos começar pelo QUANDO ADUBAR:

Um gramado, assim como qualquer outra planta, deve ser adubado de tempos em tempos para manter o vigor e a saúde. Caso ainda não haja um cronograma de adubação pronto, deve-se fazer primeiro uma avaliação visual do gramado para averiguar se é o momento certo para iniciar. Se a grama estiver com aparência amarelada e com poucas folhas, apresentando falhas em muitos pontos, pode ser que seja a hora de adubar. Constatando-se isso, é importante descobrir as causas da aparência insatisfatória da mesma para saber qual adubo escolher.

Se a grama estiver fraca devido a um enraizamento insuficiente, o ideal é escolher um adubo rico em fósforo, como o Fertilizante Organomineral Biomix Plantio, pois é um adubo que favorece a formação de raízes e oferece menos riscos de queima das folhas.

Tendo a grama já um bom enraizamento, mas mesmo assim não apresentando uma boa aparência, pode ser utilizado o Fertilizante Organomineral Biomix Cobertura, cuja fórmula 06-06-06, equivalente ao tradicional 10-10-10 inorgânico (ou químico) é mais equilibrada nos três nutrientes principais exigidos pelas plantas (NPK) e mais rica em nitrogênio (N), fortalecendo mais as folhas da grama.

A partir disso, deve ser estabelecida uma rotina para a adubação do gramado de duas a três vezes ao ano, espaçando as aplicações conforme as estações e a natureza do produto. O ideal é adubar mais em épocas de chuva e calor, pois a planta fará uma absorção melhor dos nutrientes, sem muito desperdício. Além disso, a adubação no inverno pode ser até prejudicial, pois a absorção de nutrientes pela grama fica mais lenta nessa época e o excesso de nutrientes pode ser usado por outras plantas invasoras que comecem a crescer no gramado, afetando assim o visual do jardim.

Agora vamos ao COMO ADUBAR:

A aplicação de adubos pode ser feita “a lanço”, com as mãos, ou então utilizando uma adubadeira, respeitando-se sempre a dosagem por metro quadrado recomendada pelo fabricante na embalagem. Após a aplicação, é essencial que seja feita uma boa rega, de preferência com sistemas de irrigação ou aspersores próprios para gramados, e o ideal é que continue sendo feita uma rega constante, preferencialmente pelo período da manhã para que a grama absorva a água ao longo do dia, sem correr o risco de ficar desidratada por conta da exposição solar. Esse é outro motivo para que a adubação seja feita em época chuvosa.

Qual a frequência ideal de regas?

As regas devem ser feitas com certa constância, pois a grama é composta 85% por água. Em dias quentes, as regas devem ser menos espaçadas entre si, de preferência de duas a três vezes por semana, caso não haja chuvas. Em dias frios, devem ser mais espaçadas, a cada 10 ou 15 dias.

Uma boa maneira de verificar se seu gramado precisa de regas é, além dos sinais visuais que ele pode dar, enfiar uma lâmina relativamente comprida (como uma faca de cozinha mais longa) no solo, retirar e verificar a umidade. Se estiver úmida, é possível aguardar para a próxima rega, se não, a grama pode ser regada imediatamente.

Quais outros cuidados devem ser tomados em relação à nutrição de um gramado?

Um detalhe a se prestar atenção na manutenção de gramados, uma vez que se atingiu o resultado esperado nas primeiras adubações e a grama já tenha adquirido um aspecto mais belo, é a reposição dos nutrientes perdidos a cada limpeza. Com o tempo, a grama cresce e muitos optam por apará-la a fim de que cresça horizontalmente e mantenha a aparência desejada no jardim. Após esse procedimento, também é costume rastelar os pedaços de grama cortada para fora do gramado, para que as folhas secas não prejudiquem a aparência verdejante do chão ao secar e deixem o solo livre para o crescimento regular da grama.

Contudo, com isso ocorre a chamada exportação de nutrientes, pois os elementos que seriam devolvidos ao solo e transformados em alimento para a grama com a decomposição das folhas secas são removidos dali, empobrecendo-o aos poucos. Isso, no longo prazo, prejudicará o crescimento e desenvolvimento saudável da grama, fazendo-se necessária uma reposição desses nutrientes e dos microrganismos decompositores que serão responsáveis por disponibilizá-los à planta no solo.

Para isso, a Biomix desenvolveu seu Condicionador de Solo (ou Corretivo) Gramados, que reverte os efeitos negativos da remoção das folhas de cima do gramado, sendo um produto de aplicação simples e que traz ótimos resultados com a vantagem de ficar discreto e ser absorvido pelo gramado rapidamente. O Condicionador de Solo Gramados se difere de um simples adubo por ser muito rico em matéria orgânica, repondo não apenas nutrientes que serão usados de maneira imediata pela grama, como também toda a microbiota necessária para fixar melhor estes nutrientes no solo, permitindo um melhor e mais duradouro aproveitamento destes por parte das plantas, garantindo a elas um aspecto mais saudável por mais tempo utilizando-se menos recursos.

A aplicação do Corretivo Gramados é recomendada de tempos em tempos após sucessivas limpezas de jardim com rastelo, ou sempre após um corte da grama. Ela pode servir como substituta à adubação, porém, caso note-se a necessidade, não há problema em fazer uma complementação com adubo.

Esperamos que este artigo seja útil e te ajude a cuidar do seu gramado.

Compartilhe este conteúdo com seus amigos:

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário!