Um tipo de condução de árvores muito antiga, presente nos jardins formais nos castelos europeus assim como nas propriedades rurais. Nos jardins dos castelos as árvores obedeciam ao desenho retilíneo e eram podadas na altura e largura desejada. Muito comum a beira de caminhos nos arredores do castelo. Além disto no pomar estavam as frutas conduzidas em espaldeira como na “Potager du Roi” (A horta do Rei) do Palácio de Versalhes.

Já nas propriedades rurais o funcional é o que manda, nestes locais não se pensava muito na beleza ou se era chique ter uma espaldeira no jardim. A função principal é de sombreamento plantada na face sul das residências ou para refrescar ambientes onde era fabricado o queijo e a manteiga.

A árvore mais antiga e mais conhecida na Europa para este tipo de condução é a Tilia sp (várias espécies dela são boas para ser conduzidas em espaldeira) da família das Malvaceas.

 Esta arvore tem história e significado, para se ter uma ideia na Holanda uma tília foi plantada quando a princesa real Amália nasceu em 2003. Na Idade Média reuniões e julgamentos eram feitas sob a sombra dela (“judicium sub tília”), daí vem a palavra latina subtilis e no português sutil. Ela também é indicadora de solo fértil, por isso era preservada e valorizada nas áreas rurais e consequentemente utilizada para estas reuniões. Sob uma tília era proibido mentir, por isso ela também foi plantada nas praças para as reuniões e julgamentos. Que tal plantar uma espécie nativa brasileira nas praças com esta mesma função….?

A imagem antiga mostra uma tília na praça da cidade de Eindhoven na Holanda que era usada justamente para este fim.

Voltando às espaldeiras, me empolguei com a história da tilia…

E hoje? Qual a utilidade e a aceitação deste tipo de condução?

Na Europa é muito fácil encontrar a espaldeira nos jardins das cidades e na área rural. As árvores mais utilizadas são as Tilias, alguns tipos de Acer, Platanos, Photinea, Liquidambar, Oliveiras , Carvalhos, árvores do gênero Fagus, Carpinus  além das frutas da família Rosaceae como a Macieira e a Pereira.

E aqui no Brasil nós utilizamos a espaldeira também! Na viticultura a espaldeira é muito comum porque é uma opção mais barata que a condução em latada e a incidência de luz e os tratos culturais são favoráveis neste sistema.

Nos jardins é pouco utilizada por aqui, não temos esta cultura de conduzir arvores desta forma. As nossas árvores são plantadas e crescem livremente sem, ou quase sem, interferência humana. Mesmo assim entendo que as espaldeiras são elementos interessantes dependendo do estilo de jardim, do espaço disponível, da espécie que um cliente quer neste espaço, da função que ela pode exercer. Já tive a oportunidade de fazer um jardim em frente a um parque com arquitetura holandesa, nesta espaldeira utilizei a Photinea x fraseri . As fotos não estão muito boas, mas dá pra ter uma ideia da arquitetura e da condução.

Em países onde ela é muito utilizada elas são vendidas já tutoradas e podadas. A muda já vem pronta, é só continuar a condução ao longo do crescimento.

A espaldeira é funcional e decorativa , veja o que podemos fazer com elas.

PRIVACIDADE E SOMBREAMENTO

FRUTÍFERAS QUE CABEM NO SEU JARDIM

DECORAR UM MURO

MAIS INSPIRAÇÕES

Caso tenha interesse em aprender mais entre com a palavra “Leibomen”( holandês ) ou “Espalier” (inglês ) no Pinterest, tem até dicas de poda e como conduzir.

O que achou? Ultrapassado? Brega? Só para jardim europeu? Artificial?  Prático? Muita manutenção? Lindo? kkk 

Independente da nossa avaliação brasileira, a espaldeira (até rimou) pode ser uma opção e ah….resolver aquele dilema de quando o cliente quer porque quer um plátano em um jardim pequeno!!

Um abraço a todos!!

Bibliografia:

https://www.zeeuwseankers.nl/verhaal/leilindes

http://boerderijtuinen.blogspot.com/2015/12/betekenis-van-de-lindeboom-op-het.html

Compartilhe este conteúdo com seus amigos:

Deixe uma resposta